sábado, 5 de abril de 2008

Molecagem


Todo dia, durante 11 anos da minha vida, na volta da escola eu tinha que subir um morro. Tinha que subir debaixo de sol ou chuva. Às vezes, o que amenizava o sofrimento era alguma carona ou a companhia das amigas. Não era fácil, na hora do almoço, faminta, ter que "encarar" o paredão.

Quando crianças, sempre tentamos amenizar algum sofrimento, e eu sempre buscava um jeito de subir o morro, sem que "doesse" tanto. Subia cantando, observando a paisagem, pensando na "morte da bezerra"... Um dia, nessas minhas divagações, bem no meio "daquela montanha de concreto", vi uma menininha na varanda de uma casa. Que menina feia! Uma criança sem nenhuma beleza, os cabelos despenteados, a pele suja, uma chupeta encardida no canto da boca e fralda de pano. Não senti vontade nenhuma de mexer com ela, logo eu que adoro criança. Subi o resto do morro e em casa nem mais me lembrava do que tinha visto.

No outro dia, lá estava ela de novo, sentada em uma cadeirinha, com uma fralda na mão, cabelos desgrenhados, um horror! E eu, com meus 11, 12 anos comecei a pensar umas "maldadezinhas". Olhei bem para a menina, bem nos olhos, fiz uma careta e fingi que ia pegá-la. A menina não entendeu muito bem, olhou para minha cara e saiu correndo para o quintal da casa. Fui embora morrendo de rir. Ao fim do dia, já não pensava mais no que tinha feito.

Passou a ser minha rotina: todo dia, passava em frente à casa e fazia careta. Ora a menina corria, ora arregalava os olhinhos e fazia cara de choro. Mas nunca chorava. Até que um dia, não é que ela abriu a boca e começou a gritar, a chorar, a espernear na cadeira?Ouvi uma voz vinda de dentro da casa e fugi, apressada. Nesse dia, saí literalmente correndo apavorada e com o maior sentimento de culpa da minha vida, até então. Fiquei com tanto pavor de alguém ter me visto fazendo careta e de contar para a minha mãe que passei a subir o outro lado do morro.

Eu fiz essa molecagem. E agora, depois de escrever tudo, estou na dúvida se publico este post. Eu nunca falei disso para ninguém, nunca mais vi a menininha, nunca mais fiz medo em nenhuma pobre criancinha! Eu não sou má, viu gente!!!

Bom, a parte de que nunca mais fiz medo em nenhuma pobre criancinha acho que vou deletar. Tenho mais um "antecedente criminal" nessa área. Mas isso é assunto para outro post. Este já acabou! Risosssssssssssss.....

2 comentários:

Fernanda disse...

Ei,
adorei essa história !
muito engraçada...
até parece que você é mal!
rsrsrs
adorei...
muito bem escrita!
abração
t+++

CristianoVS22 disse...

Q coisa feia heim, assustando a pobre criancinha kkk
muito bom seu blog ^^


onaitsirC